quinta-feira, 17 de maio de 2012

Dezessete Luas

Título: Dezessete Luas
Autor: Margaret Stohl e Kami Garcia
Páginas: 462
Editora: Galera Record

Sinopse: Juntos, Ethan e Lena podem enfrentar qualquer ataque de Gatlin. Ao menos era assim que funcionava antes de Lena sofrer uma perda trágica e começar a se afastar e gaurdar segredos que estão testando o relacionamento. E agora que Ethan abriu os olhos para o lado negro de Gatlin, não há como voltar atrás. Assombrado por estranhas visões que somente ele consegue ver, Ethan vai sendo puxado cada vez mais para dentro da história confusa de sua cidade.


Dezessete Luas não é livro ruim, muito pelo contrário, mas claro que não supera Dezesseis Luas (O primeiro livro da série). Todos nós, leitores, sabemos o quão difícil séries são difíceis de serem escritas. Acredito que, é no segundo volume que a maior parte dos leitores decide se quer ou não continuar com a saga apresentada.

Lena está confusa e muito depressiva, quer se afastar de todos e se culpa pela morte de seu Tio Macon. Ethan não quer acreditar que Lena esteja tão mal e finge que tudo vai ficar bem, mas as coisas não acontecem como planejado, ela vai se distanciando cada vez mais, porém, ele não desiste de estar ao seu lado para ajudá-la a superar todos os últimos acontecimentos horríveis. Grandes partes das más escolhas que a personagem faz nesse segundo volume, se solidificam na culpa que ela sente pela morte do tio.

"... Ele sabia, talvez melhor do que todo mundo, que não escolhemos o que é verdade. Só escolhemos o que fazer com ela."

Novos personagens foram inseridos na trama, Liv e John Breed que irão mexer com as emoções de todos – personagens e leitores. Liv é uma bibliotecária estagiária que sabe em que mundo está entrando e ainda assim, está disposta a fazer de tudo para ajudar os seus mais novos amigos. Mesmo sabendo que ela não pode infligir à única regra de uma guardiã. A descoberta sobre o passado da mãe do Ethan é fundamental para a compreensão de alguns pontos, foi tudo bem encaixado no enredo geral dos livros, exceto pela pancada de personagens que me aparece nesse volume, o que me deixava às vezes perdido na história. Quase esqueço que, uma personagem importante estréia nesse volume: Abraham.

"Enquanto Lena dormia, seus dedos se abriram. Na mão, estava um pequeno pássaro de prata, um pardal. O presente do estranho no enterro de Macon. Tentei tirá-lo, mas os dedos dela imediatamente se fecharam. "

Apesar de muitos acontecimentos, o livro tem uma narrativa um pouco mais lenta que o primeiro e, parecia que o livro tinha um tipo de conjuro, que quanto mais eu lia, mais demorava de finalizar. Teve momentos da narrativa que cheguei a ficar irritado. Mas quando terminei, percebi que os fatos estavam interligados, mesmo as autoras “dando a volta ao mundo” para narrá-los. O final do livro é realmente incrível, o que abriu um ciclo para novos rumos, e creio que Link e Ridley (Ex-Sirena) terão mais destaques no terceiro volume da série Beatiful Creatures.

Ps: Não posso deixar de ressaltar que as magias de Amma são as melhores e, espero poder comer aquelas tortas que Ethan tanto fala. Rs!

"Dezoito Luas, dezoito esferas,
Do mundo além dos anos,
Um Não Escolhido, morte ou nascimento,
Um dia Partido espera a Terra..."

Leia o primeiro capitulo aqui.

Um comentário:

  1. Achei seu Blog ,bem maneiro e a Marcia falou que vc é escritor , Parabéns!

    ResponderExcluir